Minha experiência no FISL17 como Microsoft

Participar de comunidades sempre foi algo que fez parte da minha vida, desde a primeira linha de código, e é que me inspira a querer sempre fazer mais e melhor em termos de contribuição e inclusão de pessoas. Este é meu sexto FISL. Este FISL, foi diferente de todos os outros. Este ano, vinte e sete pessoas me procuraram para saber sobre os “rumores” que percorriam por algumas comunidades: sim, me tornei Evangelista Técnica na Microsoft. O que isso muda? Nada. Absolutamente nada, continuo desenvolvimento e utilizando tecnologias open source, ajudando e fazendo parte de comunidades, enchendo minhas palestras com gifs (especialmente os de gatinhos <3) e meus ideais, não mudaram e jamais mudarão.

Historicamente, sempre houveram ruídos quando alguém ouvia falar sobre a Microsoft e nos últimos tempos, não é diferente, pois a nova cara da firma é recente e nem todos conhecem o forte laço e contribuição que a mesma tem com o mundo open source. Mesmo sabendo que poderiam ocorrer situações desconfortáveis, decidi que iria sim para o FISL.

Obviamente, fui para o evento com algumas incertezas, mas também com o desafio de mudar tudo isso.

Para minha surpresa, essas incertezas cairam por terra, uma a uma, desde o primeiro abraço de recepção de que tive ao chegar do FISL, especialmente da comunidade Mozilla, até o primeiro passo no palco para o meu primeiro Keynote. Eu estava em casa. Olhar nos olhos das pessoas e ver elas saírem do modo discovery(o que são, onde vivem e do que se alimentam) e ir para o not bad, foi realmente gratificante, pois confirma um dos princípios mais básicos, no meu ponto de vista, que é: fazemos tecnologia para pessoas e juntos somos mais forte.

Vamos as atividades!

#DIA1

Os desafios da UX na Era de IoT

Nesta conversa, apresentei alguns conceitos sobre interações e tecnologias integradas para criação de projetos para IoT. Um resumo desta palestra está disponível no site do FISL.

#DIA2

A força da Diversidade no Mercado de Tecnologia

Muito fala-se em empoderamento feminino e é importante que esta discussão esteja presente, não somente para falar sobre a problemática, mas questionar e principalmente, buscar oportunidades que contribuam para criação de ambiente saudáveis e receptivos para todos. Este debate foi muito bacana, tivemos participação não só local, mas de várias pessoas, via twitter e facebook, enviando questionamentos e também comentando sobre nosso trabalho. Nosso debate ficou conhecido como Talk Show da Cynthia.

#DIA3

Crie e publique seu site em Jekyll no Github

Essa atividade foi uma oficina handson, que ministrei com meu amigo Ariel Santos, mostrando ao público como desenvolver sites estáticos utilizando Visual Studio Code e o framework Jekyll, além de exemplificar a publicação no Github com o gh-pages. Um resumo desta palestra está disponível no site do FISL.

A força da Diversidade no Mercado de Tecnologia v2

Tive a surpresa de poder reapresentar o meu “talk show” sobre diversidade e contar com o reforço da Esther de Freitas, que é uma das voluntárias do WoMoz e do WoMakersCode em Maceió. Como de costume em nossos bate papos, a conversa foi bem divertida, informativa e inspiradora, compartilhando nossas experiências e até recebendo uma visitante ilustre: a Fox! No site do FISL, você encontra um resumo sobre a nossa v2.

#DIA4

Palestra: Mulheres em Open Source, das comunidades às palestras técnicas

Com a ajuda da Esther e a participação de membros de várias comunidades, como PyLadies, Maria Lab, ArduLadies, entre outras, abrimos o quarto e último dia do FISL, com um workshop para incentivar pessoas a tornarem-se palestrantes. Nosso workshop foi bastante dinâmico e conseguimos mostrar que todas as pessoas tem algo a compartilhar e que a hora de começar pode ser agora!

Matéria sobre nossa oficina, publicada no site oficial.

E a Microsoft?

Esses quatro dias foram muito especiais, pude rever e fazer novos amigos, desmistificar o que é a nova Microsoft e o quanto queremos contribuir e fomentar atividades e comunidades ligadas à open source e software livre. Durante o evento, estive em todos os momentos possíveis nas bancadas de comunidades, ajudando, atrapalhando, conversando e conhecendo projetos legais, de pessoas que querem fazer a diferença e que surpreenderam-se com o fato de que a Microsoft pode e quer estar presente positivamente nisso tudo é sensacional. Algumas frases como “Mas bah, essa Microsoft está toda moderninha e open source, me descola um adesivo daquele gato.”, são a prova disso! :)

E o futuro?

Todos os esforços para estar presente no FISL, tiveram um gostinho especial no último dia, aonde recebi a visita da minha família no evento e especialmente, pelo fato de que o primeiro evento de meu sobrinho Guga, foi o FISL. Há rumores (adorei essa palavra hahah) de que um fruto nunca cai longe do pé. Seja bem vindo, meu pequeno grande hacker!

Quero registrar também um parabéns a equipe do FISL, que em meio as dificuldades financeiras conseguiu fazer um evento incrível e que demonstrou e vivei o significado de trabalho em equipe e também o meu muito obrigada a comunidade Mozilla por todo apoio e a todas as demais comunidades que me receberam de braços abertos.